QUEM SOMOS

A Sector 3 – Social Brokers é uma empresa de consultoria, especializada em serviços de intermediação no mercado do investimento social.

MISSÃO

Contribuir para o desenvolvimento do emergente Mercado do Investimento Social em Portugal, promovendo e facilitando encontros profícuos entre actores de referência nos lados da oferta e da procura desse mercado.

VISÃO

Excelência na prestação de serviços de intermediação em investimentos sociais.

VALORES

Ética, Inovação, Sustentabilidade, Rigor, Transparência, Confiança, Partilha e Indulgência.

SUSTENTABILIDADE

Na Sector 3 – Social Brokers, conscientes da importância do contributo singular que cada empresa tem de assumir para o alcance do desenvolvimento sustentável à escala global, pautamos a nossa conduta por um permanente sentido de responsabilidade corporativa em termos quer ambientais quer sociais.

Princípios Gerais

I. Alinhar nos esforços de concretização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, nomeadamente, na redução da pobreza e na preservação de recursos ambientais.

II. Adotar comportamentos éticos e transparentes no relacionamento com todas as partes interessadas, nomeadamente, com clientes, colaboradores, parceiros, fornecedores e comunidade em geral.

III. Criar valor, importante na perspetiva do desenvolvimento e competitividade da empresa, mas também fundamental em termos do seu impacto na sociedade.

Colaboradores

A Sector 3 – Social Brokers assume a responsabilidade social perante os seus colaboradores, mediante prosseguimento das seguintes diretrizes:

1. Cumprir a legislação laboral em vigor no que diga respeito, designadamente, ao horário de trabalho, ao nível salarial, aos direitos a férias, subsídio de alimentação e seguro de acidentes de trabalho.

2. Atribuir objetivos e responsabilidades no âmbito de cada função profissional e avaliar o desempenho com base em critérios objetivos que permitam um clima de confiança.

3. Proporcionar adequadas condições de segurança e higiene no trabalho.

4. Procurar a conciliação da vida profissional e pessoal, mediante eventual flexibilização de horários de trabalho ou viabilização do trabalho em casa.

5. Respeitar igualdade de oportunidades entre homens e mulheres nas admissões, no acesso à formação, na política salarial e na progressão de carreira, bem como admissibilidade a pessoas de grupos sociais desfavorecidos.

6. Admitir a possibilidade, quando as circunstâncias o permitam ou justifiquem, de se enveredar por soluções do tipo participação nos resultados e atribuição de prémios de produtividade ou benefícios sociais complementares.

Fornecedores

A Sector 3 – Social Brokers procura garantir o seu contributo para a preservação do meio ambiente e promoção duma sociedade mais justa e inclusiva, através do prosseguimento das seguintes linhas de orientação:

1. Prevalecer na empresa o consumo ecológico de produtos, nomeadamente, utilização de papel, estacionário e tinteiros de impressão recicláveis, eletrodomésticos e lâmpadas de baixo consumo energético, mobiliário de escritório usado, entre outros.

2. Promover na empresa práticas comuns de preservação do ambiente, designadamente, separar o lixo para reciclagem, depositar as pilhas gastas em contentor apropriado, trocar o automóvel pela caminhada ou transporte coletivo, desligar sempre as luzes dos ambientes em que não haja ninguém, evitar ao máximo o uso do ar condicionado, restringir ao mínimo indispensável o número de impressões em papel.

3. Dar primazia à contratualização de fornecedores que demonstrem ser ecológica e socialmente responsáveis, através da monitorização de diversos indicadores sobre a sua organização, tais como:

a. Inexistência de práticas de trabalho infantil, trabalho forçado, discriminação de qualquer tipo ou punições disciplinares abusivas;

b. Cumprimento da legislação laboral em vigor no que toca a direitos fundamentais, como sejam, por exemplo, o número normal de horas de trabalho por semana, os níveis de remuneração ajustados à categoria profissional, as condições de higiene e segurança adequadas às exigências do trabalho, entre outros;

c. Práticas concretas de respeito pelo meio ambiente, consentâneas com a legislação aplicável no respetivo ramo de atividade, nomeadamente, medidas para reduzir emissões de gases de efeito estufa, operações de tratamento de resíduos, mecanismos de redução do consumo energético, utilização de embalagens recicladas, entre outras.

Clientes, Parceiros e outras partes interessadas

A Sector 3 – Social Brokers pauta a sua conduta perante entidades terceiras no escrupuloso respeito por princípios de ética e transparência, os quais se consubstanciam, nomeadamente, nos seguintes procedimentos:

1. Prestação de contas mediante publicação no website da empresa do seu Relatório e Contas Anual, incluindo descrição dos aspetos e indicadores mais relevantes da sua atividade e demonstrações financeiras;

2. Emissão de “Relatório Trimestral Diretório Sector 3” sobre a evolução da atividade desta plataforma web de IPSS, disponível para consulta no login de cada instituição registada;

3. Realização de Inquérito Anual à satisfação de Clientes e Parceiros sobre o desempenho da empresa nos serviços e projetos em curso no período em análise;

4. Auscultação formal, com periocidade anual, aos Colaboradores da empresa, internos e externos, permanentes ou eventuais, sobre o seu grau de satisfação no trabalho;

5. Sujeitar a atividade da empresa a pelo menos uma Certificação Externa permanente a respeito da sua sustentabilidade e impacto na comunidade.

Governança

O(s) proprietário(s) da Sector 3 – Social Brokers, assim como o(s) membro(s) dos seus órgãos dirigentes, garantem o escrupuloso respeito pelos seguintes princípios estatutários:

1. Os objetivos da Sector 3 são a promoção do sucesso da mesma em benefício dos seus sócios e através dos seus negócios e operações, ter um impacto global positivo significativo sobre a sociedade e o meio ambiente, considerados como um todo.

2. No processo de decisão os gerentes executivos devem também ter em conta os efeitos sociais, económicos, jurídicos ou outros efeitos, de qualquer ação sobre os atuais funcionários ou aposentados, fornecedores e clientes da Sector 3 ou das suas subsidiárias, e das comunidades e da sociedade em que a empresa ou as suas subsidiárias operam, conjuntamente, a curto prazo, bem como a longo prazo, os interesses dos seus sócios e o efeito das operações da empresa sobre o meio ambiente e economia da região e do país.

Lisboa, 10 de Fevereiro de 2017

assinatura_pm

Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente

Conselho Consultivo

O Conselho Consultivo é o órgão de consulta e apoio na definição das linhas gerais de atuação da Sector 3 – Social Brokers. Incumbe especialmente ao Conselho Consultivo dar parecer sobre as linhas gerais do Plano de Atividades, Orçamento e Relatório de Contas da empresa.

Composição:

Clara Cotrim (Presidente)
Empreendedora Social

Domingos Rosa (Vogal)
Presidente da Fundação AFID

Pedro Megre (Vogal)
Administrador MSTF Partners

Guilherme Collares Pereira (Vogal)
EDP – Access to Energy / International Relations Director

Outros Consultores Externos

Maria Amália de Sotto-Mayor da Silveira Botelho
Professor Auxiliar de Medicina Clínica Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Nova de Lisboa

Sara Leitão Anahory
Licenciada em Sociologia pela Universidade Nova de Lisboa

Teresa Sofia dos Reis Palmeiro Vasconcelos
Licenciada em Cardiopneumologia e Mestrado em Saúde Pública

Maria João Archer de Carvalho
Professora Línguas – Português e Inglês

Nuno Archer de Carvalho
Professor de Educação e Desenvolvimento Pessoal e Social – Colégio Pedro Arrupe

RELATÓRIOS E CONTAS

Relatório e Contas 2018
Relatório e Contas 2017
Relatório e Contas 2016
Relatório e Contas 2015
Relatório e Contas 2014
Relatório e Contas 2013
Relatório e Contas 2012
Relatório e Contas 2011
Relatório e Contas 2018
Em 2018, segundo ano de um ciclo de três consecutivos, respeitante ao período de recuperação do investimento realizado em 2016, a Sector 3 cumpriu as metas operacionais a que se havia comprometido e progrediu favoravelmente em termos da sua estrutura económico-financeira:

Indicador 2018 2017
Autonomia Financeira 54,6% 39,5%
Solvabilidade 1,20 0,65
Liquidez Geral 2,49 2,18
Rentabilidade do Ativo 2,0% 0,5%
EBIT 3.554,20 € 2.606,04 €


A prestação de serviços da Sector 3 ao Banco BPI terminou em dezembro último. Dado o peso deste Cliente no volume de negócio da empresa, por antecipação à significativa contração de atividade esperada, já em 2018 reduzimos substancialmente os gastos com pessoal.

No que respeita ao Diretório Sector 3, no período em análise registaram-se 7 novas adesões, contando hoje esta plataforma web com um total de 82 entidades-membros.
Por fim, adiante-se que 2019 vai ser um ano muito exigente e desafiante, pois deve a Sector 3 procurar oportunidades de negócio, novas soluções que viabilizem a continuidade desta empresa.

Lisboa, 23 de abril 2019

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2018 e 2017)

RENDIMENTOS E GASTOS 2018 2017
 
Vendas e serviços prestados 103.306,00 107.170,00
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -62.159,88 -42.795,45
Gastos com pessoal -32.780,97 -55.360,60
Imparidades de dívidas a receber
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 0,04 392,78
Outros gastos e perdas -1.077.24 -2.897,40
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 7.287,95 6.509,33
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 3.733,75 3.903,29
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 3.554,20 2.606,04
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -651.23  -967.38
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 2.902,97 1.638,66
 
Imposto sobre o rendimento 1.923,18 1.371,18
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 979,79 267,48

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2018 e 2017)

ACTIVO 2018 2017
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 6.845,25 10.578,96
Activos intangíveis
Participações financeiras
Accionistas/Sócios    
  6.845,25 10.578,96
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 7.534,61 1.778,21
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 1.210,27
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 10.762,25 6.919,82
Diferimentos 361,00 29.223,20
Outros Instrumentos Financeiros 420,00 420,00
Caixa e depóstios bancários 21.407,35 14.007,79
  40.485,21 53.559,29
TOTAL DO ACTIVO 47.330,46 73.854,95
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2018 2017
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.891,80 9.591,10
 
Resultado líquido do período 979,79 267,48
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 25.834,89 24.821,88
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos 5.228,21 14.077,10 
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 1.008,79 4.431,61
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 8.803,79 9.142,51
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 4.771,78 6.549,15
Outras contas a pagar 1.683,00 5.116,00
Diferimentos  
TOTAL DO PASSIVO 21.495,57 39.316,37
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 47.330,46 64.138,25

(em euros)

Relatório e Contas 2017
Na Sector 3, percorremos o ano de 2017 em velocidade-cruzeiro. Após o significativo investimento realizado em 2016, cumprimos todos os compromissos financeiros assumidos para este ano e conseguimos reunir as condições de negócio fundamentais para hoje podermos afirmar encontrar-se assegurada a regular continuidade das operações em 2018.

Ao Banco BPI, nosso principal Cliente, prestámos serviços de consultoria no âmbito dos seus prémios – BPI Solidário, BPI Seniores e BPI Capacitar.

Ao longo de 2017, o Diretório Sector 3 registou 9 novas adesões, terminando o ano com um total de 74 entidades-membros, oriundas de norte a sul do país. Embora a um ritmo lento, as audiências desta nossa plataforma digital têm evoluído sempre favoravelmente, registando hoje, em média, perto de 450 visitas semanais e 5.000 visualizações por mês.

A edição 2017 do Dote Sector 3, no montante de 1.500 euros, foi atribuído, ex aequo, à CERCIOEIRAS e à CERCIPOM.

Finalmente, este ano de 2017 fica marcado pela publicação do livro “Combate à Pobreza e Exclusão Social – Referencial Técnico”, cuja edição digital disponibilizamos para download.

Lisboa, 30 de março 2018

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2017 e 2016)

RENDIMENTOS E GASTOS 2017 2016
 
Vendas e serviços prestados 107.170,00 112.136,00
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -42.795,45 -37.797,50
Gastos com pessoal -55.360,60 -62.593,29
Imparidades de dívidas a receber -72,00
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 392,78 2.000,00
Outros gastos e perdas -2.897,40 984,01
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 6.509,33 14.657,22
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 3.903,29 12.791,87
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 2.606,04 1.865,35
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -967.38  -788,20
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 1.638,66 1.077,15
 
Imposto sobre o rendimento 1.371,18 1.009,35
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 267,48 67,80

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2017 e 2016)

ACTIVO 2017 2016
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 10.578,96 14.482,25
Activos intangíveis
Participações financeiras 10,90
Accionistas/Sócios    
  10.578,96 14.493,15
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 1.778,21 1.061,45
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 1.210,27 652,00
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 6.919,82 6.312,20
Diferimentos 29.223,20 39.002,22
Outros Instrumentos Financeiros 420,00 420,00
Caixa e depóstios bancários 14.007,79 11.913,93
  53.559,29 59.361,80
TOTAL DO ACTIVO 64.138,25 73.854,95
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2017 2016
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.591,10 9.876,29
 
Resultado líquido do período 267,48 67,80
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.821,88 24.907,39
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos 14.077,10   
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 4.431,61 8.761,63
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 9.142,51 10.000,72
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 6.549,15 6.500,00
Outras contas a pagar 5.116,00 8.538,76
Diferimentos  
TOTAL DO PASSIVO 39.316,37 48.947,56
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 64.138,25 73.854,95

(em euros)

Relatório e Contas 2016
Em 2016, na Sector 3 ascendemos a um patamar superior na qualidade do serviço prestado aos nossos Clientes.

Para conseguir tal elevação, foi necessário concretizar dois investimentos fundamentais: por um lado, o desenvolvimento tecnológico do Diretório Sector 3 e, por outro, o reforço da equipa de trabalho na empresa.

Criada em 2010, ao cabo de cinco anos de ininterrupta actividade, a versão original da nossa plataforma digital encontrava-se obsoleta. Com recurso ao outsourcing de serviços especializados da Everis, desenvolvemos um portal completamente novo, muito mais poderoso e atractivo. Segundo os resultados do inquérito realizado, 79% dos membros do Diretório Sector 3 conota de “bom” ou “excelente” este upgrade. Face à actual escala do nosso negócio, sem dúvida que se trata aqui de um avultado investimento, uma corajosa aposta no futuro deste projecto emblemático para a Sector 3, um compromisso exigente com recurso a crédito externo e efeitos nas contas da empresa a repercutir durante o próximo triénio.

O Dote 2016, prémio em dinheiro atribuído anualmente a uma entidade membro do Diretório Sector 3, desta vez foi para ASTA – Associação Sócio Terapêutica de Almeida. Através deste prémio, na sua 6ª edição consecutiva, a Sector 3 já devolveu à comunidade um total acumulado de 13,5 mil euros, o equivalente a 13% do total de resultados operacionais gerados pela empresa durante esse período.

O acréscimo do volume de serviços prestados na área da consultoria, sobretudo ao Banco BPI, nosso principal Cliente, implicou a criação de um novo posto de trabalho na empresa, desde março de 2016 assegurado por Maria Inês Morais, 32 anos, licenciada em Economia pela Universidade de Coimbra.

Na Sector 3 estamos, portanto, a crescer paulatinamente. De modo sustentável na medida em que, já em 2017, a empresa acaba de ver renovada a sua certificação B Corp.

Lisboa, 30 de março 2017

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2016 e 2015)

RENDIMENTOS E GASTOS 2016 2015
 
Vendas e serviços prestados 112.136,00 98.038,96
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -37.797,50 -42.937,94
Gastos com pessoal -62.593,29 -36.842,17
Imparidades de dívidas a receber -72,00
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 2.000,00 
Outros gastos e perdas 984,01 -3.291,81
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 14.657,22 14.967,04
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 12.791,87 -13.254,20
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 1.865,35 1.712,84
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -788,20  -291,93 
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 1.077,15 1.420,91
 
Imposto sobre o rendimento -1.009,35 -1.188,97
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 67,80 231,94

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2016 e 2015)

ACTIVO 2016 2015
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 14.482,25 339,12
Activos intangíveis 12.000,00
Participações financeiras  10,90  
Accionistas/Sócios    
  14.493,15 12.339,12
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 1.061,45 1.459,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 652,00 519,00
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 6.312,20
Diferimentos 39.002,22 10.641,00
Outros Instrumentos Financeiros 420,00 140,00
Caixa e depóstios bancários 11.913,93 24.895,96
  59.361,80 37.654,96
TOTAL DO ACTIVO 73.854,95 49.994,08
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2016 2015
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.876,29 9.644,35
 
Resultado líquido do período 67,80 231,94
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.907,39 24.839,59
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos  15.146,45  
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 8.761,63 6.549,67
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 10.000,72 6.213,65
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 6.500,00 4.333,37 
Outras contas a pagar 8.538,76 8.057,80
Diferimentos  
TOTAL DO PASSIVO 48.947,56 25.154,49
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 73.854,95 49.994,08

(em euros)

Relatório e Contas 2015
O ano de 2015 foi em quase tudo semelhante aos dois exercícios anteriores.

O número de Entidades da Economia Social registadas no Diretório Sector 3 cresceu 15% e as audiências desta plataforma web, traduzidas no seu número de visitantes, aumentou 20% em relação a 2014.

Mantivemos os habituais serviços de suporte às Entidades do Diretório Sector 3, entre os quais, os apontamentos na rádio Smooth FM e as Tertúlias Inter Pares. O Dote IPSS 2015, no montante de 3 mil euros, foi atribuído, ex aequo, à Fundação CEBI e à Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa, duas grandes Obras Sociais de referência em Portugal.

Sobre os serviços de assessoria prestados ao Banco BPI, o ano de 2015 culminou com a excelente notícia do lançamento do novo Prémio BPI Solidário.

A decisão estratégica de concretizar um importante investimento no desenvolvimento tecnológico do site Diretório Sector 3, com recurso ao outsourcing de serviços especializados da everis, constitui um enorme desafio a superar, com a certeza de que 2016 vai ser um ano de mudança para esta empresa.

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2015 e 2014)

RENDIMENTOS E GASTOS 2015 2014
 
Vendas e serviços prestados 98.038,96 95.919,24
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -42.937,94 -43.225,34
Gastos com pessoal -36.842,17 -34.141,34
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos  
Outros gastos e perdas -3.291,81 -2.631,74
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 14.967,04 15.920,82
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 13.254,20 -13.254,24
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 1.712,84 2.666,58
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -291,93  -79,71 
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 1.420,91 2.586,87
 
Imposto sobre o rendimento 1.188,97 -1.504,19
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 231,94 1.082,68

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2015 e 2014)

ACTIVO 2015 2014
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 339,12 1.593,32
Activos intangíveis 12.000,00 24.000,00
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  12.339,12 25.593,32
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 1.459,00 7.429,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 519,00 2.748,00
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 430,00
Diferimentos 10.641,00 361,00
Outros Instrumentos Financeiros 140,00 140,00
Caixa e depóstios bancários 24.895,96 16.548,00
  37.654,96 27.656,00
TOTAL DO ACTIVO 49.994,08 53.249,32
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2015 2014
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.644,35 8.561,67
 
Resultado líquido do período 231,94 1082,68
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.839,59 24.607,65
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 6.549,67 5.574,56
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 6.213,65 8.335,61
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 4.333,37 10.000,00 
Outras contas a pagar 8.057,80 9.931,50
Diferimentos   -5.200,00
TOTAL DO PASSIVO 25.154,49 28.641,67
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 49.994,08 53.249,32

(em euros)

Relatório e Contas 2014
O exercício de 2014 decorreu sem sobressaltos nem mudanças dignas de registo, tendo sido em tudo semelhante ao ano de 2013, quer em termos da atividade desenvolvida quer a respeito das contas da empresa. O Diretório Sector 3 evoluiu favoravelmente, ainda que de modo ténue, com a admissão de quatro novas IPSS à plataforma web e aumento de audiências na ordem dos 20% em termos de número médio de visitas diárias, por comparação com o ano transato. Mantiveram-se regulares os nossos serviços informativos especializados no website, nas redes sociais e na rádio Smooth FM, assim como as Tertúlias Inter Pares, encontros periódicos e temáticos com as IPSS membros do diretório, iniciativa esta realizada em parceria com a Fundação PT. O prémio Dote IPSS 2014, no montante de dois mil euros, foi atribuído à Acreditar, por ocasião do seu vigésimo aniversário. Na vertente dos serviços de consultoria às empresas, manteve-se o foco na permanente qualidade da assessoria que tem vindo a ser prestada ao Banco BPI. Por último, merece especial destaque a obtenção do certificado internacional B Corporation, o qual, muito embora tenha sido atribuído já no decurso deste ano, implicou todo um processo de preparação reportado a 2014.Lisboa, 20 de Maio de 2015.

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2014 e 2013)

RENDIMENTOS E GASTOS 2014 2013
 
Vendas e serviços prestados 95.919,24 95.435,23
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -43.225,34 -42.069,56
Gastos com pessoal -34.141,34 -24.180,00
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 0,02
Outros gastos e perdas -2.631,74 -2.331,95
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 15.920,82 26.853,74
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização -13.254,24 -12.991,54
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 2.666,58 13.862,20
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -79,71   
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 2.586,87 13.862,20
 
Imposto sobre o rendimento -1.504,19 -3.960,11
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 1.082,68 9.902,09

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2014 e 2013)

ACTIVO 2014 2013
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 1.593,32 678,36
Activos intangíveis 24.000,00 36.000,00 
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  25.593,32 36.678,36
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 7.429,00 7.305,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 2.748,00 3.581,68 
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 430,00   
Diferimentos 361,00 324,90
Outros Instrumentos Financeiros 140,00  
Caixa e depóstios bancários 16.548,00 619,70
  27.656,00 11.831,28
TOTAL DO ACTIVO 53.249,32 48.509,64
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2014 2013
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 61,21
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30
Resultados transitados 8.561,67 8.561,67
 
Resultado líquido do período 1.082,68 13.862,20
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.607,65 27.485,08
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 5.574,56 4.992,06
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 8.335,61 6.994,84
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 10.000,00   
Outras contas a pagar 9.931,50 9.037,66
Diferimentos -5.200,00 
TOTAL DO PASSIVO 28.641,67 21.024,56
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 53.249,32 48.509,64

(em euros)

Relatório e Contas 2013
Durante 2013, prosseguimos a missão que nos compete sem nos desviarmos da visão que nos orienta. Por um lado reforçámos o apoio à actividade de IPSS e por outro evoluímos no que toca à construção de pontes entre essas instituições e os seus stakeholders.

Hoje, ao todo, são 57 as IPSS registadas no Diretório Sector (eram 42 em Janeiro de 2013). A taxa de renovação da anuidade deste serviço mantém-se superior a 95%. Segundo indicadores do Google Analytics, as audiências desta plataforma web têm vindo a crescer paulatinamente, cifrando-se, em média, já no primeiro trimestre de 2014, nas cinco dezenas de visitantes diários e mais de 10 mil visualizações por mês. Um desempenho ainda modesto em termos absolutos, mas que oculta uma evolução relativa bastante favorável e encorajante.

O ano 2013 fica marcado pelo arranque das Tertúlias Inter Pares, uma iniciativa da Sector 3, que visa promover a cooperação entre IPSS registadas no Diretório Sector 3, mediante realização de encontros periódicos e temáticos envolvendo IPSS com afinidades nas respetivas áreas de atuação. Pretende-se que estas “Tertúlias Inter Pares” sejam momentos de efetiva partilha de conhecimentos e de experiências, dos quais possa surgir a descoberta de sinergias, e porventura, a posterior concretização de ações de entreajuda e de mútuo fortalecimento.

Outra novidade deste ano constituiu a iniciativa Dote IPSS 2013 que merecendo a confiança da Fundação PT, viu sua dotação ascender a 5 mil euros por força da comparticipação do SAPO. Este ano a IPSS feliz contemplada por este Prémio Sector3/Fundação PT foi a Associação Pais em Rede.

Ao longo de 2013, o Directório Sector 3 manteve o seu serviço informativo regular, de e para as IPSS, quer através do constante anúncio online da actividade protagonizada pelas Instituições quer mediante selecção de notícias da especialidade a elas continuamente fornecidas via correio electrónico. Também se cumpriram as duas habituais campanhas sazonais, uma sobre a Consignação do IRS e depois outra a propósito dos donativos pela altura do Natal. E ainda de salientar o apontamento semanal da rádio Smooth FM, todas as quartas-feiras de manhã com notícias frescas sobre as IPSS, uma oferta do grupo Media Capital Rádio.

O Directório Sector 3 constitui, portanto, o mais importante investimento que a Limites à Prova tem vindo a realizar ininterruptamente desde a sua criação, e que, a partir deste exercício de 2013, passa a estar devidamente reflectivo nas contas da empresa.

A assessoria ao Banco BPI continua a mobilizar grande parte dos recursos da Sector 3 para a área da consultoria às empresas. Três projectos plurianuais mantiveram-se em curso durante 2013: Prémio BPI Capacitar; Prémio BPI Seniores; BPI Banco Acessível. Um trabalho que de há quatro anos a esta parte, muito nos tem honrado e engrandecido.

A convite da Fundação Calouste Gulbenkian, integramos a equipa de peritos avaliadores dos projetos candidatos ao Programa “Cidadania Ativa”.

Pontualmente, a Sector 3 mantém seu serviço de assessoria a candidaturas de projectos de investimento particulares a programas comunitários europeus de comparticipação financeira.

Ainda em 2013, a Limites à Prova mudou de TOC, passando a usufruir dos competentes serviços da AJL – Contabilidade, Fiscalidade e Gestão Lda.

Nestes termos, a clientes, colaboradores e fornecedores, a familiares e amigos, enfim, a todos quantos dalgum modo contribuíram para o progresso desta empresa social ao longo de 2013, manifestamos o nosso mais sincero reconhecimento.

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2012 e 2013)

RENDIMENTOS E GASTOS 2013 2012
 
Vendas e serviços prestados 95.435,23 63.913,88
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -42.069,56 -22.826,58
Gastos com pessoal -24.180,00 -20.900,23
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 0,02 1.250,20
Outros gastos e perdas -2.331,95 -2.527,00
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 26.853,74 18.910,27
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização -12.991,54 -7.222,68
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 13.862,20 11.687,49
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados    
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 13.862,20 11.687,49
 
Imposto sobre o rendimento -3.960,11 -4.083,63
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 9.902,09 7.603,86

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2012 e 2013)

ACTIVO 2013 2012
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 678,36 1.669,90
Activos intangíveis 36.000,00  
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  36.678,36 1.669,90
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 7.305,00 540,01
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 3.581,68   
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber   8.596,67
Diferimentos 324,90 361,00
Caixa e depóstios bancários 619,70 53.302,41
  11.831,28 62.800,09
TOTAL DO ACTIVO 48.509,64 64.469,99
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2013 2012
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 61,21 61,21
Excedentes de revalorização
Outras variações de capitais próprios
Resultados transitados 8.561,67 957,81
 
Resultado líquido do período 13.862,20 7.603,86
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 27.485,08 13.622,88
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 4.992,06 3.723,80
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 6.994,84 9.452,47
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar 9.037,66 4.410,00
Diferimentos   33.260,84
TOTAL DO PASSIVO 21.024,56 50.847,11
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 48.509,64 64.469,99

(em euros)

Relatório e Contas 2012
Em 2012, a conduta da Limites à Prova Unipessoal Lda. pautou-se pela frugalidade que a incerteza externa e a debilidade interna impuseram. Foi um ano de confirmação do negócio que havia despontado no exercício precedente e de contenção nas despesas para preservar a estrutura económico-financeira da firma.

Ao nível dos serviços de consultoria merece particular referência o consistente trabalho realizado junto do Banco BPI, do qual veio a resultar renovadas perspectivas de continuidade e desenvolvimento.

No que respeita ao Diretório Sector 3, ao longo do período em análise, o moderado crescimento do número de novos registos foi compensado por uma taxa de renovação das instituição residentes muito favorável.

O Dote IPSS 2012, no montante de 2 mil euros, foi atribuído ex aequo ao Chapitô e ao Espaço t, por se tratar de dois modelos de como praticar o bem através das artes, dois exemplos de como se consegue promover a integração social pela cultura e criatividade.

Em síntese, naquele que é apenas o terceiro ano completo de actividade desta microempresa, ainda que sem crescimento, os sinais de evolução do negócio são encorajadores, em parte já mesmo indubitáveis à data do presente relatório.

Lisboa, 30 de Abril 2013

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2011 e 2012)

RENDIMENTOS E GASTOS 2012 2011
 
Vendas e serviços prestados 63.913,88 65.324,79
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos (22.826,58) (29.241,02)
Gastos com pessoal (20.900,23) (21.832,13)
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 1.250,20  
Outros gastos e perdas (2.527,00) (3.736,03)
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 18.910,27 10.515,61
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização (7.222,78) (7.222,68)
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 11.687,49 3.292,93
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados    
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 11.687,49 3.292,93
 
Imposto sobre o rendimento 4.083,63 1.144,00
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 7.603,86 2.148,93

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2011 e 2012)

ACTIVO 2012 2011
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 1.669,90 8.892,68
Activos intangíveis    
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  1.669,90 8.892,68
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 540,01 2.574,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 864,90
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 8.596,67  
Diferimentos 361,00 4.129,42
Caixa e depóstios bancários 53.302,41 38.942,52
  62.800,09 46.510,84
TOTAL DO ACTIVO 64.469,99 55.403,52
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2012 2011
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 61,21 61,21
Excedentes de revalorização
Outras variações de capitais próprios
Resultados transitados 957,81 (1.191,12)
 
Resultado líquido do período 7.603,86 2.148,93
Interesses minoritários
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 13.622,88 6.019,02
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
 
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 3.723,80 3.273,03
Adiantamentos de clientes 1.165,32
Estado e outros entes públicos 9.452,47 5.958,53
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar 4.410,00  
Diferimentos 33.260,84 38.987,62
TOTAL DO PASSIVO 50.847,11 49.384,50
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 64.469,99 55.403,52

(em euros)

Relatório e Contas 2011
A Limites à Prova Unipessoal Lda., firma proprietária da Sector3, à data do presente relatório somente com dois exercícios completos, cinge-se a uma microempresa ainda em estado embrionário que, semeada num conturbado ambiente de profunda recessão, tenta florescer no emergente ramo da designada Economia Social.

Na sua vocação de consultora para a área da Responsabilidade Social das Empresas, destaca-se o serviço de assessoria que tem vindo a prestar ao Banco BPI, seu principal cliente, donde sobressai a iniciativa “Prémio BPI Capacitar”.

Na vertente do Empreendedorismo Social, a Limites à Prova tem sobretudo investido no desenvolvimento duma plataforma web 2.0, composta por uma base de dados, um sistema de pesquisa indexada, e um leque serviços relacionados. No momento presente, encontram-se registadas no “Directório Sector 3” um total de quarenta IPSS, sediadas de norte a sul do país, responsáveis por relevantes impactos sociais nas suas comunidades, em diversas áreas, nomeadamente, apoio à deficiência, idosos, recém-nascidos, sem abrigo, e toxicodependência.

Em 2011 realizou-se a edição inaugural da iniciativa “Dote IPSS do Ano”, no âmbito da qual a Limites à Prova doou 3.000 euros à Ajuda de Mãe, instituição assim homenageada por ter sido a primeira a registar-se no Directório Sector3.

Durante o período em análise, entre outros trabalhos diversos, merece também referência a taxa de sucesso 100% conseguida nas candidaturas de Projectos Particulares a programas de apoio no QREN, nas quais a Limites à Prova esteve implicada como entidade consultora.

Na sua actual equipa, para além do coordenador geral, a Limites à Prova conta com a preciosa colaboração de dois especialistas em áreas chave distintas – Psicologia, Psicopatologia, Terapias Cognitivo-Comportamentais por um lado, e por outro Engenharia Informática e Computadores. A MSTF Partners é a parceira estratégica da Sector 3 para a área da comunicação e imagem.

Na Sector 3 ainda agora está praticamente tudo por fazer, mas estamos convictos encontrarmo-nos assim alinhados com o sentido primordial duma revolução de mentalidades em curso, de profunda mudança no modo de se estar no mundo dos negócios, a qual, mais tarde ou mais cedo, a bem de toda a humanidade, irá sobressair do tradicional modelo capitalista, hoje desenfreado e em decadência. Dito por outras palavras, estes são apenas os primeiros passos de um longo e árduo caminho ainda a percorrer, até que um dia a Limites à Prova possa vir a reclamar o estatuto de “Empresa Social”.

Lisboa, 27 de Abril de 2012

assinatura_pm
   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2010 e 2011)

RENDIMENTOS E GASTOS 2011 2010
 
Vendas e serviços prestados 65.324,79 35.144,02
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos (29.241,02) (13.992,34)
Gastos com pessoal (21.832,13) (21.985,32)
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos   0,89
Outros gastos e perdas (3.736,03) (184,80)
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 10.515,61 1.017,55
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização (7.222,68) (1.015,39)
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 3.292,93 (2.032,94)
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados   (136,57)
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 3.292,93 (2.169,94)
 
Imposto sobre o rendimento 1.144,00 184,65
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 2.148,93 (2.354,16)

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2010 e 2011)

ACTIVO 2011 2010
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 8.892,68 3.368,30
Activos intangíveis    
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  8.892,68 3.368,30
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 2.574,00 8.635,02
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 864,90 9,68
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber    
Diferimentos 4.129,42 400,71
Caixa e depóstios bancários 38.942,52 25.813,23
  46.510,84 34.858,64
TOTAL DO ACTIVO 55.403,52 38.226,94
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2011 2010
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 61,21 61,21
Excedentes de revalorização
Outras variações de capitais próprios
Resultados transitados (1.191,12) 1.163,04
 
Resultado líquido do período 2.148,93 (2.354,16)
Interesses minoritários
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 6.019,02 3.870,09
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
 
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 3.273,03 154,75
Adiantamentos de clientes 1.165,32  
Estado e outros entes públicos 5.958,53 5.931,04
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
Diferimentos 38.987,62 28.271,06
TOTAL DO PASSIVO 49.384,50 34.356,85
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 55.403,52 38.226,94

(em euros)

CERTIFICADO B-CORP

Sector 3 – Social Brokers foi certificada pelo B Lab por cumprir rigorosos standards de desempenho social e ambiental, e de prestação de contas e transparência. Avaliámos o impacto das nossas práticas nos nossos colaboradores, comunidade, ambiente e clientes.

As B-Corp são um novo tipo de empresas que usam a força dos negócios para resolver problemas sociais e ambientais. A certificação  B-Corp está para as empresas, como  a certificação do Fair Trade está para o café e a certificação USDA Organic para o leite.

Para saber mais sobre o movimento B-Corp, clique aqui.

MISSÃO

MISSÃO

Contribuir para o desenvolvimento do emergente Mercado do Investimento Social em Portugal, promovendo e facilitando encontros profícuos entre actores de referência nos lados da oferta e da procura desse mercado.

VISÃO

Excelência na prestação de serviços de intermediação em investimentos sociais.

VALORES

Ética, Inovação, Sustentabilidade, Rigor, Transparência, Confiança, Partilha e Indulgência.

SUSTENTABILIDADE

SUSTENTABILIDADE

Na Sector 3 – Social Brokers, conscientes da importância do contributo singular que cada empresa tem de assumir para o alcance do desenvolvimento sustentável à escala global, pautamos a nossa conduta por um permanente sentido de responsabilidade corporativa em termos quer ambientais quer sociais.

Princípios Gerais

I. Alinhar nos esforços de concretização dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio, nomeadamente, na redução da pobreza e na preservação de recursos ambientais.

II. Adotar comportamentos éticos e transparentes no relacionamento com todas as partes interessadas, nomeadamente, com clientes, colaboradores, parceiros, fornecedores e comunidade em geral.

III. Criar valor, importante na perspetiva do desenvolvimento e competitividade da empresa, mas também fundamental em termos do seu impacto na sociedade.

Colaboradores

A Sector 3 – Social Brokers assume a responsabilidade social perante os seus colaboradores, mediante prosseguimento das seguintes diretrizes:

1. Cumprir a legislação laboral em vigor no que diga respeito, designadamente, ao horário de trabalho, ao nível salarial, aos direitos a férias, subsídio de alimentação e seguro de acidentes de trabalho.

2. Atribuir objetivos e responsabilidades no âmbito de cada função profissional e avaliar o desempenho com base em critérios objetivos que permitam um clima de confiança.

3. Proporcionar adequadas condições de segurança e higiene no trabalho.

4. Procurar a conciliação da vida profissional e pessoal, mediante eventual flexibilização de horários de trabalho ou viabilização do trabalho em casa.

5. Respeitar igualdade de oportunidades entre homens e mulheres nas admissões, no acesso à formação, na política salarial e na progressão de carreira, bem como admissibilidade a pessoas de grupos sociais desfavorecidos.

6. Admitir a possibilidade, quando as circunstâncias o permitam ou justifiquem, de se enveredar por soluções do tipo participação nos resultados e atribuição de prémios de produtividade ou benefícios sociais complementares.

Fornecedores

A Sector 3 – Social Brokers procura garantir o seu contributo para a preservação do meio ambiente e promoção duma sociedade mais justa e inclusiva, através do prosseguimento das seguintes linhas de orientação:

1. Prevalecer na empresa o consumo ecológico de produtos, nomeadamente, utilização de papel, estacionário e tinteiros de impressão recicláveis, eletrodomésticos e lâmpadas de baixo consumo energético, mobiliário de escritório usado, entre outros.

2. Promover na empresa práticas comuns de preservação do ambiente, designadamente, separar o lixo para reciclagem, depositar as pilhas gastas em contentor apropriado, trocar o automóvel pela caminhada ou transporte coletivo, desligar sempre as luzes dos ambientes em que não haja ninguém, evitar ao máximo o uso do ar condicionado, restringir ao mínimo indispensável o número de impressões em papel.

3. Dar primazia à contratualização de fornecedores que demonstrem ser ecológica e socialmente responsáveis, através da monitorização de diversos indicadores sobre a sua organização, tais como:

a. Inexistência de práticas de trabalho infantil, trabalho forçado, discriminação de qualquer tipo ou punições disciplinares abusivas;

b. Cumprimento da legislação laboral em vigor no que toca a direitos fundamentais, como sejam, por exemplo, o número normal de horas de trabalho por semana, os níveis de remuneração ajustados à categoria profissional, as condições de higiene e segurança adequadas às exigências do trabalho, entre outros;

c. Práticas concretas de respeito pelo meio ambiente, consentâneas com a legislação aplicável no respetivo ramo de atividade, nomeadamente, medidas para reduzir emissões de gases de efeito estufa, operações de tratamento de resíduos, mecanismos de redução do consumo energético, utilização de embalagens recicladas, entre outras.

Clientes, Parceiros e outras partes interessadas

A Sector 3 – Social Brokers pauta a sua conduta perante entidades terceiras no escrupuloso respeito por princípios de ética e transparência, os quais se consubstanciam, nomeadamente, nos seguintes procedimentos:

1. Prestação de contas mediante publicação no website da empresa do seu Relatório e Contas Anual, incluindo descrição dos aspetos e indicadores mais relevantes da sua atividade e demonstrações financeiras;

2. Emissão de “Relatório Trimestral Diretório Sector 3” sobre a evolução da atividade desta plataforma web de IPSS, disponível para consulta no login de cada instituição registada;

3. Realização de Inquérito Anual à satisfação de Clientes e Parceiros sobre o desempenho da empresa nos serviços e projetos em curso no período em análise;

4. Auscultação formal, com periocidade anual, aos Colaboradores da empresa, internos e externos, permanentes ou eventuais, sobre o seu grau de satisfação no trabalho;

5. Sujeitar a atividade da empresa a pelo menos uma Certificação Externa permanente a respeito da sua sustentabilidade e impacto na comunidade.

Governança

O(s) proprietário(s) da Sector 3 – Social Brokers, assim como o(s) membro(s) dos seus órgãos dirigentes, garantem o escrupuloso respeito pelos seguintes princípios estatutários:

1. Os objetivos da Sector 3 são a promoção do sucesso da mesma em benefício dos seus sócios e através dos seus negócios e operações, ter um impacto global positivo significativo sobre a sociedade e o meio ambiente, considerados como um todo.

2. No processo de decisão os gerentes executivos devem também ter em conta os efeitos sociais, económicos, jurídicos ou outros efeitos, de qualquer ação sobre os atuais funcionários ou aposentados, fornecedores e clientes da Sector 3 ou das suas subsidiárias, e das comunidades e da sociedade em que a empresa ou as suas subsidiárias operam, conjuntamente, a curto prazo, bem como a longo prazo, os interesses dos seus sócios e o efeito das operações da empresa sobre o meio ambiente e economia da região e do país.

Lisboa, 10 de Fevereiro de 2017

assinatura_pm

Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente

CONSULTORES

Conselho Consultivo

O Conselho Consultivo é o órgão de consulta e apoio na definição das linhas gerais de atuação da Sector 3 – Social Brokers. Incumbe especialmente ao Conselho Consultivo dar parecer sobre as linhas gerais do Plano de Atividades, Orçamento e Relatório de Contas da empresa.

Composição:

Clara Cotrim (Presidente)
Empreendedora Social

Domingos Rosa (Vogal)
Presidente da Fundação AFID

Pedro Megre (Vogal)
Administrador MSTF Partners

Guilherme Collares Pereira (Vogal)
EDP – Access to Energy / International Relations Director

Outros Consultores Externos

Maria Amália de Sotto-Mayor da Silveira Botelho
Professor Auxiliar de Medicina Clínica Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Nova de Lisboa

Sara Leitão Anahory
Licenciada em Sociologia pela Universidade Nova de Lisboa

Teresa Sofia dos Reis Palmeiro Vasconcelos
Licenciada em Cardiopneumologia e Mestrado em Saúde Pública

Maria João Archer de Carvalho
Professora Línguas – Português e Inglês

Nuno Archer de Carvalho
Professor de Educação e Desenvolvimento Pessoal e Social – Colégio Pedro Arrupe

RELATÓRIOS E CONTAS

RELATÓRIOS E CONTAS

Relatório e Contas 2018
Relatório e Contas 2017
Relatório e Contas 2016
Relatório e Contas 2015
Relatório e Contas 2014
Relatório e Contas 2013
Relatório e Contas 2012
Relatório e Contas 2011
Relatório e Contas 2018
Em 2018, segundo ano de um ciclo de três consecutivos, respeitante ao período de recuperação do investimento realizado em 2016, a Sector 3 cumpriu as metas operacionais a que se havia comprometido e progrediu favoravelmente em termos da sua estrutura económico-financeira:

Indicador 2018 2017
Autonomia Financeira 54,6% 39,5%
Solvabilidade 1,20 0,65
Liquidez Geral 2,49 2,18
Rentabilidade do Ativo 2,0% 0,5%
EBIT 3.554,20 € 2.606,04 €


A prestação de serviços da Sector 3 ao Banco BPI terminou em dezembro último. Dado o peso deste Cliente no volume de negócio da empresa, por antecipação à significativa contração de atividade esperada, já em 2018 reduzimos substancialmente os gastos com pessoal.

No que respeita ao Diretório Sector 3, no período em análise registaram-se 7 novas adesões, contando hoje esta plataforma web com um total de 82 entidades-membros.
Por fim, adiante-se que 2019 vai ser um ano muito exigente e desafiante, pois deve a Sector 3 procurar oportunidades de negócio, novas soluções que viabilizem a continuidade desta empresa.

Lisboa, 23 de abril 2019

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2018 e 2017)

RENDIMENTOS E GASTOS 2018 2017
 
Vendas e serviços prestados 103.306,00 107.170,00
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -62.159,88 -42.795,45
Gastos com pessoal -32.780,97 -55.360,60
Imparidades de dívidas a receber
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 0,04 392,78
Outros gastos e perdas -1.077.24 -2.897,40
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 7.287,95 6.509,33
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 3.733,75 3.903,29
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 3.554,20 2.606,04
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -651.23  -967.38
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 2.902,97 1.638,66
 
Imposto sobre o rendimento 1.923,18 1.371,18
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 979,79 267,48

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2018 e 2017)

ACTIVO 2018 2017
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 6.845,25 10.578,96
Activos intangíveis
Participações financeiras
Accionistas/Sócios    
  6.845,25 10.578,96
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 7.534,61 1.778,21
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 1.210,27
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 10.762,25 6.919,82
Diferimentos 361,00 29.223,20
Outros Instrumentos Financeiros 420,00 420,00
Caixa e depóstios bancários 21.407,35 14.007,79
  40.485,21 53.559,29
TOTAL DO ACTIVO 47.330,46 73.854,95
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2018 2017
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.891,80 9.591,10
 
Resultado líquido do período 979,79 267,48
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 25.834,89 24.821,88
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos 5.228,21 14.077,10 
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 1.008,79 4.431,61
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 8.803,79 9.142,51
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 4.771,78 6.549,15
Outras contas a pagar 1.683,00 5.116,00
Diferimentos  
TOTAL DO PASSIVO 21.495,57 39.316,37
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 47.330,46 64.138,25

(em euros)

Relatório e Contas 2017
Na Sector 3, percorremos o ano de 2017 em velocidade-cruzeiro. Após o significativo investimento realizado em 2016, cumprimos todos os compromissos financeiros assumidos para este ano e conseguimos reunir as condições de negócio fundamentais para hoje podermos afirmar encontrar-se assegurada a regular continuidade das operações em 2018.

Ao Banco BPI, nosso principal Cliente, prestámos serviços de consultoria no âmbito dos seus prémios – BPI Solidário, BPI Seniores e BPI Capacitar.

Ao longo de 2017, o Diretório Sector 3 registou 9 novas adesões, terminando o ano com um total de 74 entidades-membros, oriundas de norte a sul do país. Embora a um ritmo lento, as audiências desta nossa plataforma digital têm evoluído sempre favoravelmente, registando hoje, em média, perto de 450 visitas semanais e 5.000 visualizações por mês.

A edição 2017 do Dote Sector 3, no montante de 1.500 euros, foi atribuído, ex aequo, à CERCIOEIRAS e à CERCIPOM.

Finalmente, este ano de 2017 fica marcado pela publicação do livro “Combate à Pobreza e Exclusão Social – Referencial Técnico”, cuja edição digital disponibilizamos para download.

Lisboa, 30 de março 2018

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2017 e 2016)

RENDIMENTOS E GASTOS 2017 2016
 
Vendas e serviços prestados 107.170,00 112.136,00
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -42.795,45 -37.797,50
Gastos com pessoal -55.360,60 -62.593,29
Imparidades de dívidas a receber -72,00
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 392,78 2.000,00
Outros gastos e perdas -2.897,40 984,01
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 6.509,33 14.657,22
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 3.903,29 12.791,87
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 2.606,04 1.865,35
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -967.38  -788,20
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 1.638,66 1.077,15
 
Imposto sobre o rendimento 1.371,18 1.009,35
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 267,48 67,80

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2017 e 2016)

ACTIVO 2017 2016
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 10.578,96 14.482,25
Activos intangíveis
Participações financeiras 10,90
Accionistas/Sócios    
  10.578,96 14.493,15
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 1.778,21 1.061,45
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 1.210,27 652,00
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 6.919,82 6.312,20
Diferimentos 29.223,20 39.002,22
Outros Instrumentos Financeiros 420,00 420,00
Caixa e depóstios bancários 14.007,79 11.913,93
  53.559,29 59.361,80
TOTAL DO ACTIVO 64.138,25 73.854,95
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2017 2016
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.591,10 9.876,29
 
Resultado líquido do período 267,48 67,80
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.821,88 24.907,39
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos 14.077,10   
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 4.431,61 8.761,63
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 9.142,51 10.000,72
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 6.549,15 6.500,00
Outras contas a pagar 5.116,00 8.538,76
Diferimentos  
TOTAL DO PASSIVO 39.316,37 48.947,56
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 64.138,25 73.854,95

(em euros)

Relatório e Contas 2016
Em 2016, na Sector 3 ascendemos a um patamar superior na qualidade do serviço prestado aos nossos Clientes.

Para conseguir tal elevação, foi necessário concretizar dois investimentos fundamentais: por um lado, o desenvolvimento tecnológico do Diretório Sector 3 e, por outro, o reforço da equipa de trabalho na empresa.

Criada em 2010, ao cabo de cinco anos de ininterrupta actividade, a versão original da nossa plataforma digital encontrava-se obsoleta. Com recurso ao outsourcing de serviços especializados da Everis, desenvolvemos um portal completamente novo, muito mais poderoso e atractivo. Segundo os resultados do inquérito realizado, 79% dos membros do Diretório Sector 3 conota de “bom” ou “excelente” este upgrade. Face à actual escala do nosso negócio, sem dúvida que se trata aqui de um avultado investimento, uma corajosa aposta no futuro deste projecto emblemático para a Sector 3, um compromisso exigente com recurso a crédito externo e efeitos nas contas da empresa a repercutir durante o próximo triénio.

O Dote 2016, prémio em dinheiro atribuído anualmente a uma entidade membro do Diretório Sector 3, desta vez foi para ASTA – Associação Sócio Terapêutica de Almeida. Através deste prémio, na sua 6ª edição consecutiva, a Sector 3 já devolveu à comunidade um total acumulado de 13,5 mil euros, o equivalente a 13% do total de resultados operacionais gerados pela empresa durante esse período.

O acréscimo do volume de serviços prestados na área da consultoria, sobretudo ao Banco BPI, nosso principal Cliente, implicou a criação de um novo posto de trabalho na empresa, desde março de 2016 assegurado por Maria Inês Morais, 32 anos, licenciada em Economia pela Universidade de Coimbra.

Na Sector 3 estamos, portanto, a crescer paulatinamente. De modo sustentável na medida em que, já em 2017, a empresa acaba de ver renovada a sua certificação B Corp.

Lisboa, 30 de março 2017

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2016 e 2015)

RENDIMENTOS E GASTOS 2016 2015
 
Vendas e serviços prestados 112.136,00 98.038,96
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -37.797,50 -42.937,94
Gastos com pessoal -62.593,29 -36.842,17
Imparidades de dívidas a receber -72,00
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 2.000,00 
Outros gastos e perdas 984,01 -3.291,81
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 14.657,22 14.967,04
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 12.791,87 -13.254,20
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 1.865,35 1.712,84
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -788,20  -291,93 
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 1.077,15 1.420,91
 
Imposto sobre o rendimento -1.009,35 -1.188,97
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 67,80 231,94

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2016 e 2015)

ACTIVO 2016 2015
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 14.482,25 339,12
Activos intangíveis 12.000,00
Participações financeiras  10,90  
Accionistas/Sócios    
  14.493,15 12.339,12
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 1.061,45 1.459,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 652,00 519,00
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 6.312,20
Diferimentos 39.002,22 10.641,00
Outros Instrumentos Financeiros 420,00 140,00
Caixa e depóstios bancários 11.913,93 24.895,96
  59.361,80 37.654,96
TOTAL DO ACTIVO 73.854,95 49.994,08
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2016 2015
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.876,29 9.644,35
 
Resultado líquido do período 67,80 231,94
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.907,39 24.839,59
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos  15.146,45  
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 8.761,63 6.549,67
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 10.000,72 6.213,65
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 6.500,00 4.333,37 
Outras contas a pagar 8.538,76 8.057,80
Diferimentos  
TOTAL DO PASSIVO 48.947,56 25.154,49
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 73.854,95 49.994,08

(em euros)

Relatório e Contas 2015
O ano de 2015 foi em quase tudo semelhante aos dois exercícios anteriores.

O número de Entidades da Economia Social registadas no Diretório Sector 3 cresceu 15% e as audiências desta plataforma web, traduzidas no seu número de visitantes, aumentou 20% em relação a 2014.

Mantivemos os habituais serviços de suporte às Entidades do Diretório Sector 3, entre os quais, os apontamentos na rádio Smooth FM e as Tertúlias Inter Pares. O Dote IPSS 2015, no montante de 3 mil euros, foi atribuído, ex aequo, à Fundação CEBI e à Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa, duas grandes Obras Sociais de referência em Portugal.

Sobre os serviços de assessoria prestados ao Banco BPI, o ano de 2015 culminou com a excelente notícia do lançamento do novo Prémio BPI Solidário.

A decisão estratégica de concretizar um importante investimento no desenvolvimento tecnológico do site Diretório Sector 3, com recurso ao outsourcing de serviços especializados da everis, constitui um enorme desafio a superar, com a certeza de que 2016 vai ser um ano de mudança para esta empresa.

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2015 e 2014)

RENDIMENTOS E GASTOS 2015 2014
 
Vendas e serviços prestados 98.038,96 95.919,24
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -42.937,94 -43.225,34
Gastos com pessoal -36.842,17 -34.141,34
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos  
Outros gastos e perdas -3.291,81 -2.631,74
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 14.967,04 15.920,82
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização 13.254,20 -13.254,24
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 1.712,84 2.666,58
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -291,93  -79,71 
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 1.420,91 2.586,87
 
Imposto sobre o rendimento 1.188,97 -1.504,19
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 231,94 1.082,68

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2015 e 2014)

ACTIVO 2015 2014
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 339,12 1.593,32
Activos intangíveis 12.000,00 24.000,00
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  12.339,12 25.593,32
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 1.459,00 7.429,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 519,00 2.748,00
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 430,00
Diferimentos 10.641,00 361,00
Outros Instrumentos Financeiros 140,00 140,00
Caixa e depóstios bancários 24.895,96 16.548,00
  37.654,96 27.656,00
TOTAL DO ACTIVO 49.994,08 53.249,32
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2015 2014
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 1.000,00
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30 8.963,30 
Resultados transitados 9.644,35 8.561,67
 
Resultado líquido do período 231,94 1082,68
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.839,59 24.607,65
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 6.549,67 5.574,56
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 6.213,65 8.335,61
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 4.333,37 10.000,00 
Outras contas a pagar 8.057,80 9.931,50
Diferimentos   -5.200,00
TOTAL DO PASSIVO 25.154,49 28.641,67
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 49.994,08 53.249,32

(em euros)

Relatório e Contas 2014
O exercício de 2014 decorreu sem sobressaltos nem mudanças dignas de registo, tendo sido em tudo semelhante ao ano de 2013, quer em termos da atividade desenvolvida quer a respeito das contas da empresa. O Diretório Sector 3 evoluiu favoravelmente, ainda que de modo ténue, com a admissão de quatro novas IPSS à plataforma web e aumento de audiências na ordem dos 20% em termos de número médio de visitas diárias, por comparação com o ano transato. Mantiveram-se regulares os nossos serviços informativos especializados no website, nas redes sociais e na rádio Smooth FM, assim como as Tertúlias Inter Pares, encontros periódicos e temáticos com as IPSS membros do diretório, iniciativa esta realizada em parceria com a Fundação PT. O prémio Dote IPSS 2014, no montante de dois mil euros, foi atribuído à Acreditar, por ocasião do seu vigésimo aniversário. Na vertente dos serviços de consultoria às empresas, manteve-se o foco na permanente qualidade da assessoria que tem vindo a ser prestada ao Banco BPI. Por último, merece especial destaque a obtenção do certificado internacional B Corporation, o qual, muito embora tenha sido atribuído já no decurso deste ano, implicou todo um processo de preparação reportado a 2014.Lisboa, 20 de Maio de 2015.

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2014 e 2013)

RENDIMENTOS E GASTOS 2014 2013
 
Vendas e serviços prestados 95.919,24 95.435,23
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -43.225,34 -42.069,56
Gastos com pessoal -34.141,34 -24.180,00
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 0,02
Outros gastos e perdas -2.631,74 -2.331,95
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 15.920,82 26.853,74
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização -13.254,24 -12.991,54
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 2.666,58 13.862,20
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados -79,71   
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 2.586,87 13.862,20
 
Imposto sobre o rendimento -1.504,19 -3.960,11
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 1.082,68 9.902,09

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2014 e 2013)

ACTIVO 2014 2013
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 1.593,32 678,36
Activos intangíveis 24.000,00 36.000,00 
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  25.593,32 36.678,36
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 7.429,00 7.305,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 2.748,00 3.581,68 
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 430,00   
Diferimentos 361,00 324,90
Outros Instrumentos Financeiros 140,00  
Caixa e depóstios bancários 16.548,00 619,70
  27.656,00 11.831,28
TOTAL DO ACTIVO 53.249,32 48.509,64
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2014 2013
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 1.000,00 61,21
Excedentes de revalorização
Outras reservas 8.963,30
Resultados transitados 8.561,67 8.561,67
 
Resultado líquido do período 1.082,68 13.862,20
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 24.607,65 27.485,08
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 5.574,56 4.992,06
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 8.335,61 6.994,84
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos 10.000,00   
Outras contas a pagar 9.931,50 9.037,66
Diferimentos -5.200,00 
TOTAL DO PASSIVO 28.641,67 21.024,56
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 53.249,32 48.509,64

(em euros)

Relatório e Contas 2013
Durante 2013, prosseguimos a missão que nos compete sem nos desviarmos da visão que nos orienta. Por um lado reforçámos o apoio à actividade de IPSS e por outro evoluímos no que toca à construção de pontes entre essas instituições e os seus stakeholders.

Hoje, ao todo, são 57 as IPSS registadas no Diretório Sector (eram 42 em Janeiro de 2013). A taxa de renovação da anuidade deste serviço mantém-se superior a 95%. Segundo indicadores do Google Analytics, as audiências desta plataforma web têm vindo a crescer paulatinamente, cifrando-se, em média, já no primeiro trimestre de 2014, nas cinco dezenas de visitantes diários e mais de 10 mil visualizações por mês. Um desempenho ainda modesto em termos absolutos, mas que oculta uma evolução relativa bastante favorável e encorajante.

O ano 2013 fica marcado pelo arranque das Tertúlias Inter Pares, uma iniciativa da Sector 3, que visa promover a cooperação entre IPSS registadas no Diretório Sector 3, mediante realização de encontros periódicos e temáticos envolvendo IPSS com afinidades nas respetivas áreas de atuação. Pretende-se que estas “Tertúlias Inter Pares” sejam momentos de efetiva partilha de conhecimentos e de experiências, dos quais possa surgir a descoberta de sinergias, e porventura, a posterior concretização de ações de entreajuda e de mútuo fortalecimento.

Outra novidade deste ano constituiu a iniciativa Dote IPSS 2013 que merecendo a confiança da Fundação PT, viu sua dotação ascender a 5 mil euros por força da comparticipação do SAPO. Este ano a IPSS feliz contemplada por este Prémio Sector3/Fundação PT foi a Associação Pais em Rede.

Ao longo de 2013, o Directório Sector 3 manteve o seu serviço informativo regular, de e para as IPSS, quer através do constante anúncio online da actividade protagonizada pelas Instituições quer mediante selecção de notícias da especialidade a elas continuamente fornecidas via correio electrónico. Também se cumpriram as duas habituais campanhas sazonais, uma sobre a Consignação do IRS e depois outra a propósito dos donativos pela altura do Natal. E ainda de salientar o apontamento semanal da rádio Smooth FM, todas as quartas-feiras de manhã com notícias frescas sobre as IPSS, uma oferta do grupo Media Capital Rádio.

O Directório Sector 3 constitui, portanto, o mais importante investimento que a Limites à Prova tem vindo a realizar ininterruptamente desde a sua criação, e que, a partir deste exercício de 2013, passa a estar devidamente reflectivo nas contas da empresa.

A assessoria ao Banco BPI continua a mobilizar grande parte dos recursos da Sector 3 para a área da consultoria às empresas. Três projectos plurianuais mantiveram-se em curso durante 2013: Prémio BPI Capacitar; Prémio BPI Seniores; BPI Banco Acessível. Um trabalho que de há quatro anos a esta parte, muito nos tem honrado e engrandecido.

A convite da Fundação Calouste Gulbenkian, integramos a equipa de peritos avaliadores dos projetos candidatos ao Programa “Cidadania Ativa”.

Pontualmente, a Sector 3 mantém seu serviço de assessoria a candidaturas de projectos de investimento particulares a programas comunitários europeus de comparticipação financeira.

Ainda em 2013, a Limites à Prova mudou de TOC, passando a usufruir dos competentes serviços da AJL – Contabilidade, Fiscalidade e Gestão Lda.

Nestes termos, a clientes, colaboradores e fornecedores, a familiares e amigos, enfim, a todos quantos dalgum modo contribuíram para o progresso desta empresa social ao longo de 2013, manifestamos o nosso mais sincero reconhecimento.

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2012 e 2013)

RENDIMENTOS E GASTOS 2013 2012
 
Vendas e serviços prestados 95.435,23 63.913,88
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos -42.069,56 -22.826,58
Gastos com pessoal -24.180,00 -20.900,23
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 0,02 1.250,20
Outros gastos e perdas -2.331,95 -2.527,00
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 26.853,74 18.910,27
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização -12.991,54 -7.222,68
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 13.862,20 11.687,49
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados    
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 13.862,20 11.687,49
 
Imposto sobre o rendimento -3.960,11 -4.083,63
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 9.902,09 7.603,86

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2012 e 2013)

ACTIVO 2013 2012
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 678,36 1.669,90
Activos intangíveis 36.000,00  
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  36.678,36 1.669,90
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 7.305,00 540,01
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 3.581,68   
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber   8.596,67
Diferimentos 324,90 361,00
Caixa e depóstios bancários 619,70 53.302,41
  11.831,28 62.800,09
TOTAL DO ACTIVO 48.509,64 64.469,99
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2013 2012
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 61,21 61,21
Excedentes de revalorização
Outras variações de capitais próprios
Resultados transitados 8.561,67 957,81
 
Resultado líquido do período 13.862,20 7.603,86
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 27.485,08 13.622,88
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
     
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 4.992,06 3.723,80
Adiantamentos de clientes    
Estado e outros entes públicos 6.994,84 9.452,47
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar 9.037,66 4.410,00
Diferimentos   33.260,84
TOTAL DO PASSIVO 21.024,56 50.847,11
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 48.509,64 64.469,99

(em euros)

Relatório e Contas 2012
Em 2012, a conduta da Limites à Prova Unipessoal Lda. pautou-se pela frugalidade que a incerteza externa e a debilidade interna impuseram. Foi um ano de confirmação do negócio que havia despontado no exercício precedente e de contenção nas despesas para preservar a estrutura económico-financeira da firma.

Ao nível dos serviços de consultoria merece particular referência o consistente trabalho realizado junto do Banco BPI, do qual veio a resultar renovadas perspectivas de continuidade e desenvolvimento.

No que respeita ao Diretório Sector 3, ao longo do período em análise, o moderado crescimento do número de novos registos foi compensado por uma taxa de renovação das instituição residentes muito favorável.

O Dote IPSS 2012, no montante de 2 mil euros, foi atribuído ex aequo ao Chapitô e ao Espaço t, por se tratar de dois modelos de como praticar o bem através das artes, dois exemplos de como se consegue promover a integração social pela cultura e criatividade.

Em síntese, naquele que é apenas o terceiro ano completo de actividade desta microempresa, ainda que sem crescimento, os sinais de evolução do negócio são encorajadores, em parte já mesmo indubitáveis à data do presente relatório.

Lisboa, 30 de Abril 2013

assinatura_pm   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2011 e 2012)

RENDIMENTOS E GASTOS 2012 2011
 
Vendas e serviços prestados 63.913,88 65.324,79
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos (22.826,58) (29.241,02)
Gastos com pessoal (20.900,23) (21.832,13)
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos 1.250,20  
Outros gastos e perdas (2.527,00) (3.736,03)
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 18.910,27 10.515,61
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização (7.222,78) (7.222,68)
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 11.687,49 3.292,93
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados    
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 11.687,49 3.292,93
 
Imposto sobre o rendimento 4.083,63 1.144,00
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 7.603,86 2.148,93

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2011 e 2012)

ACTIVO 2012 2011
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 1.669,90 8.892,68
Activos intangíveis    
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  1.669,90 8.892,68
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 540,01 2.574,00
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 864,90
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber 8.596,67  
Diferimentos 361,00 4.129,42
Caixa e depóstios bancários 53.302,41 38.942,52
  62.800,09 46.510,84
TOTAL DO ACTIVO 64.469,99 55.403,52
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2012 2011
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 61,21 61,21
Excedentes de revalorização
Outras variações de capitais próprios
Resultados transitados 957,81 (1.191,12)
 
Resultado líquido do período 7.603,86 2.148,93
Interesses minoritários
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 13.622,88 6.019,02
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
 
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 3.723,80 3.273,03
Adiantamentos de clientes 1.165,32
Estado e outros entes públicos 9.452,47 5.958,53
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar 4.410,00  
Diferimentos 33.260,84 38.987,62
TOTAL DO PASSIVO 50.847,11 49.384,50
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 64.469,99 55.403,52

(em euros)

Relatório e Contas 2011
A Limites à Prova Unipessoal Lda., firma proprietária da Sector3, à data do presente relatório somente com dois exercícios completos, cinge-se a uma microempresa ainda em estado embrionário que, semeada num conturbado ambiente de profunda recessão, tenta florescer no emergente ramo da designada Economia Social.

Na sua vocação de consultora para a área da Responsabilidade Social das Empresas, destaca-se o serviço de assessoria que tem vindo a prestar ao Banco BPI, seu principal cliente, donde sobressai a iniciativa “Prémio BPI Capacitar”.

Na vertente do Empreendedorismo Social, a Limites à Prova tem sobretudo investido no desenvolvimento duma plataforma web 2.0, composta por uma base de dados, um sistema de pesquisa indexada, e um leque serviços relacionados. No momento presente, encontram-se registadas no “Directório Sector 3” um total de quarenta IPSS, sediadas de norte a sul do país, responsáveis por relevantes impactos sociais nas suas comunidades, em diversas áreas, nomeadamente, apoio à deficiência, idosos, recém-nascidos, sem abrigo, e toxicodependência.

Em 2011 realizou-se a edição inaugural da iniciativa “Dote IPSS do Ano”, no âmbito da qual a Limites à Prova doou 3.000 euros à Ajuda de Mãe, instituição assim homenageada por ter sido a primeira a registar-se no Directório Sector3.

Durante o período em análise, entre outros trabalhos diversos, merece também referência a taxa de sucesso 100% conseguida nas candidaturas de Projectos Particulares a programas de apoio no QREN, nas quais a Limites à Prova esteve implicada como entidade consultora.

Na sua actual equipa, para além do coordenador geral, a Limites à Prova conta com a preciosa colaboração de dois especialistas em áreas chave distintas – Psicologia, Psicopatologia, Terapias Cognitivo-Comportamentais por um lado, e por outro Engenharia Informática e Computadores. A MSTF Partners é a parceira estratégica da Sector 3 para a área da comunicação e imagem.

Na Sector 3 ainda agora está praticamente tudo por fazer, mas estamos convictos encontrarmo-nos assim alinhados com o sentido primordial duma revolução de mentalidades em curso, de profunda mudança no modo de se estar no mundo dos negócios, a qual, mais tarde ou mais cedo, a bem de toda a humanidade, irá sobressair do tradicional modelo capitalista, hoje desenfreado e em decadência. Dito por outras palavras, estes são apenas os primeiros passos de um longo e árduo caminho ainda a percorrer, até que um dia a Limites à Prova possa vir a reclamar o estatuto de “Empresa Social”.

Lisboa, 27 de Abril de 2012

assinatura_pm
   Pedro Aragão Morais – Sócio Gerente


DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (em 31 de Dezembro de 2010 e 2011)

RENDIMENTOS E GASTOS 2011 2010
 
Vendas e serviços prestados 65.324,79 35.144,02
Subsídios à exploração    
Trabalhos para a própria entidade    
Custos das mercadorias vendidas e das matérias consumidas    
Fornecimentos e serviços externos (29.241,02) (13.992,34)
Gastos com pessoal (21.832,13) (21.985,32)
Provisões (aumentos/diminuições)    
Outros rendimentos e ganhos   0,89
Outros gastos e perdas (3.736,03) (184,80)
 
RESULTADOS ANTES DE DEPRECIAÇÕES, GASTOS DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO 10.515,61 1.017,55
 
Gastos/reversões de depreciação e de amortização (7.222,68) (1.015,39)
 
RESULTADO OPERACIONAL (ANTES DE FINANCIAMENTO E IMPOSTO) 3.292,93 (2.032,94)
 
Juros e rendimentos similares obtidos    
Juros e gastos similares suportados   (136,57)
 
RESULTADO OPERACIONAL ANTES DE IMPOSTO 3.292,93 (2.169,94)
 
Imposto sobre o rendimento 1.144,00 184,65
 
RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 2.148,93 (2.354,16)

(em euros)

BALANÇOS (em 31 de Dezembro de 2010 e 2011)

ACTIVO 2011 2010
 
ACTIVO NÃO CORRENTE
Activos fixos tangíveis 8.892,68 3.368,30
Activos intangíveis    
Participações financeiras    
Accionistas/Sócios    
  8.892,68 3.368,30
 
ACTIVO CORRENTE
Inventários    
Clientes 2.574,00 8.635,02
Adiantamentos de fornecedores    
Estado e outros entes públicos 864,90 9,68
Accionistas/Sócios    
Outras contas a receber    
Diferimentos 4.129,42 400,71
Caixa e depóstios bancários 38.942,52 25.813,23
  46.510,84 34.858,64
TOTAL DO ACTIVO 55.403,52 38.226,94
CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 2011 2010
 
CAPITAL PRÓPRIO
Capital realizado 5.000,00 5.000,00
Acções/Quotas próprias    
Prestações suplementares e outros instrumentos de capital próprio
Reservas legais 61,21 61,21
Excedentes de revalorização
Outras variações de capitais próprios
Resultados transitados (1.191,12) 1.163,04
 
Resultado líquido do período 2.148,93 (2.354,16)
Interesses minoritários
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO 6.019,02 3.870,09
 
PASSIVO
 
PASSIVO NÃO CORRENTE
Provisões    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
 
PASSIVO CORRENTE
Fornecedores 3.273,03 154,75
Adiantamentos de clientes 1.165,32  
Estado e outros entes públicos 5.958,53 5.931,04
Accionistas/Sócios    
Financiamentos obtidos    
Outras contas a pagar    
Diferimentos 38.987,62 28.271,06
TOTAL DO PASSIVO 49.384,50 34.356,85
TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO E DO PASSIVO 55.403,52 38.226,94

(em euros)

B-CORP

CERTIFICADO B-CORP

Sector 3 – Social Brokers foi certificada pelo B Lab por cumprir rigorosos standards de desempenho social e ambiental, e de prestação de contas e transparência. Avaliámos o impacto das nossas práticas nos nossos colaboradores, comunidade, ambiente e clientes.

As B-Corp são um novo tipo de empresas que usam a força dos negócios para resolver problemas sociais e ambientais. A certificação  B-Corp está para as empresas, como  a certificação do Fair Trade está para o café e a certificação USDA Organic para o leite.

Para saber mais sobre o movimento B-Corp, clique aqui.

SERVIÇOS

Somos especialistas no Terceiro Sector. Nos últimos 5 anos, analisámos mais de 1 milhar de propostas de investimento social e conhecemos in loco perto de 200 instituições de solidariedade que de norte a sul do país asseguram respostas sociais de apoio aos mais diversos públicos nas suas comunidades, nomeadamente, grávidas adolescentes e solteiras, crianças com necessidades educativas especiais, jovens em risco de exclusão, pessoas com deficiência, idosos em situação de isolamento, toxicodependentes, pessoas sem abrigo e outros.
Uma importante experiência que nos instiga e capacita a prestar serviços de qualidade nas seguintes áreas:

Aconselhamento técnico à empresa na vertente social da sua Estratégia de Sustentabilidade

Concepção e desenvolvimento de propostas de intervenção no âmbito da Responsabilidade Social das Empresas

Prospeções de mercado e identificação de oportunidades de investimento com elevado potencial de criação de valor social

Acompanhamento da execução de projectos e medição do respectivo impacto social

Acções de formação na especialidade

Assessoria na candidatura de projectos a fundos comunitários no âmbito do Portugal 2020

De modo a garantir a melhor resposta às diferentes solicitações dos nossos Clientes, sempre que necessário recorremos aos préstimos de assessores independentes, reputados especialistas em diversas áreas, nomeadamente, jurídica, financeira e marketing.

PORTFÓLIO

Cliente: PricewaterhouseCoopers & Associados
Projecto: Prémios BPI La Caixa br/> Avaliação externa complementar.
Edições 2019

Cliente: Banco BPI
Projecto: Prémio BPI Solidário
Colaboração na concepção e desenvolvimento do projecto, incluindo assessoria na avaliação de candidaturas e acompanhamento da execução das iniciativas premiadas.
Período de 2009 até 2018

Cliente: Banco BPI
Projecto: Prémio BPI Seniores
Colaboração na concepção e desenvolvimento do projecto, incluindo assessoria na avaliação de candidaturas e acompanhamento da execução das iniciativas premiadas.
Período de 2009 até 2018

Cliente: Banco BPI
Projecto: Prémio BPI Capacitar
Colaboração na concepção e desenvolvimento do projecto, incluindo assessoria na avaliação de candidaturas e acompanhamento da execução das iniciativas premiadas.
Período de 2009 até 2018

Cliente: Banco BPI
Projecto: BPI Banco Acessível
Colaboração na concepção e desenvolvimento do projecto, incluindo formação de colaboradores e aconselhamento técnico sobre acessibilidades.
Período de 2009 até 2018

Cliente: Fundação Caloust Gulbenkian
Projecto: Programa EEA Grants Cidadania Ativa
Avaliação de candidaturas no domínio C – Reforço da eficácia da ação das ONG.
Edições de 2013 e 2014

Cliente: Fundação EDP
Projecto: Fórum EDP Solidária
Assessoria na concepção e execução do projecto.
Edição de 2009

Cliente: Everything Girl Lda
Projecto: Alargamento e Reforço da Xuz Handmade Lovers no Mercado Internacional
Elaboração de candidatura ao QREN – SI PME – AAC 04/SI/2012, incluindo Estudo de Viabilidade Económica e Plano de Marketing.
De Outubro de 2011 a Abril de 2012

Cliente: Herdade da Matinha
Projecto: Matinha Resort
Elaboração de candidatura ao QREN – PRODER Medida 3.1.3, incluindo Plano Estratégico e Estudo de Viabilidade Económica.
De Outubro 2008 a Setembro 2009

PUBLICAÇÕES

Masterclass com João César das Neves

A ESLIDER promoveu uma Masterclass com João César das Neves sobre “Pobreza e Exclusão Social”. Por ocasião do lançamento da edição digital do livro “Combate à Pobreza e Exclusão Social” da Sector3, no passado dia 23 de Fevereiro, na casa…
Ler mais

Combate à pobreza e exclusão social

Em Setembro de 2017, a Sector 3 – Social Brokers publicou um ensaio sobre o fenómeno multidimensional da Pobreza e Exclusão Social, numa edição em papel limitada a 500 exemplares. Correspondendo às manifestações de interesse que, entretanto, nos têm chegado,…
Ler mais

CONTACTOS

Formulário de contacto
Rua Sant'Ana à Lapa, nº 17 - 2º 1200 - 796 Lisboa, Portugal
+351 211 945 633 / +351 211 945 631
Preencha esse campo
Preencha esse campo
Preencha esse campo
Menu